blog-março-2 adm_compart 26 de abril de 2021 QUAL A DIFERENÇA DE ON TRADE E OFF TRADE? https://www2.compart.com.br/qual-a-diferenca-de-on-trade-e-off-trade/

On Trade e Off Trade são os dois tipos de mercados em que as indústrias de consumo se dividem, demandando posturas diferentes do Trade Marketing.

Off Trade é formado pelos famosos PDVs (pontos de venda) como supermercados, hipermercados, mercearias, açougues, quiosques e lojas de varejo em geral onde o shopper faz a compra de um produto e o leva para casa – não havendo consumo no estabelecimento.

Já o On Trade se refere a locais onde shopper também desenvolve papel de consumidor, mas neste caso ele compra um produto para consumi-lo ou usá-lo imediatamente, como ocorre em bares, restaurantes, padarias, casas noturnas, hotéis, e outros estabelecimentos dessa categoria.

Veja que a diferença entre eles é apenas uma: os canais de distribuição em que atuam. Enquanto o Off trade vende para outro canal de venda, o On trade vende diretamente para o consumidor.

A PARTIR DISSO, COMO SABER QUAL O MELHOR CANAL DE VENDAS PARA O SEU NEGÓCIO?

Lembre-se que tanto o On quanto o Off Trade exigem abordagens diferentes para satisfazer o cliente. Por isso, é importante que os profissionais de Trade Marketing dividam o foco entre os dois mercados, planejando e executando ações distintas e levando sempre em consideração o produto e o local de venda.

O Off Trade, se trata basicamente, do clássico do Trade Marketing – presença firme no PDV através de táticas de vendas que abordam ações promocionais, degustativas e de merchandising e o relacionamento entre promotor e estabelecimento.

Por outro lado, o On Trade necessita de capacitação de qualidade, já que o consumo é imediato. Além dos itens clássicos de atuação do Trade, é preciso que haja excelência na comunicação, tornando o atendimento impecável e com o produto no ponto esperado pelo cliente. Neste caso, a experiência do shopper vale ainda mais, pois qualquer deslize pode levá-lo a denegrir a imagem do estabelecimento como um todo.

Consegue perceber agora a importância de acompanhar o caminho percorrido pelo produto desde a produção até o consumo?

Invista em treinamentos para os funcionários que lidam com o seu produto e invista ainda mais naqueles que estão na linha de frente falando com o consumidor final – estes precisam ainda mais de orientação, estrutura e apoio.

Lembre-se que o mercado atual é extremamente competitivo e derruba quem não está atento. Cuide-se desde já – entre em contato com a Compart e descubra qual a melhor estratégia para o seu negócio.

Acesse: www.compart.com.br

Marketing, merchandising, TRADE MARKETING blog adm_compart 15 de fevereiro de 2021 COMO FIDELIZAR CLIENTES NO PONTO DE VENDA https://www2.compart.com.br/como-fidelizar-clientes-no-ponto-de-venda/

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIZAÇÃO

Fidelização é o que faz um consumidor preferir uma marca e rejeitar a outra, tendo como base dois princípios: a satisfação e a identificação. Eles não são necessários em todos os casos, mas contribui para que a compra se repita.

Vale ressaltar a importância da identificação durante a compra em determinados segmentos. As pessoas adquirem produtos não apenas por se sentirem satisfeitas com o que foi comprado, mas também porque se identificam com a marca. Quando queremos estimular a fidelização temos esses dois caminhos: o da satisfação (obrigatório) e o da identificação (complementar).

A fidelização é importante porque é ela que faz os negócios crescerem de verdade. Além disso, sai muito mais caro conquistar um novo consumidor do que engajar quem já comprou o produto ofertado, por isso promover essa ideia no ponto de venda é o que trará a empresa o sucesso que precisa.

FIDELIZAÇÃO NO PDV

Fidelizar clientes no ponto de vendas é um dos grandes desafios do varejo atual, programas de pontos e a oferta de descontos exclusivos são algumas das estratégias que buscam alcançar esse objetivo, bem como conceitos voltados a:

Melhorar o serviço ao cliente:

Os vendedores são de extrema importância no processo de compra, assim trabalhar na capacitação e especialização deles é uma forma certeira de aumentar a fidelização.

Lembre-se que o shopper deseja um alto padrão de qualidade no atendimento – com profissionais qualificados você conseguirá corresponder a essas expectativas da forma adequada, com o nível de engajamento certo onde não existirá nenhum tipo de pressão para adquirir algo.

Investir em um mix adequado de produto:

Apesar do shopper gostar do estabelecimento e do atendimento, o retorno não acontece devido a um desencontro dos produtos que procura. Uma das maneiras de reverter isso é utilizar o processo de checkout para confirmar se o que foi procurado foi encontrado e, levar esse feedback em consideração na escolha do mix de produtos.

Storytelling:

Lojas que contam histórias possuem maiores oportunidades de posicionar o consumidor a favor da marca e vender mais. Criar ambientes que guiam o cliente por uma experiência ou narrativa e incentivam a aquisição de determinados produtos, sempre gera os melhores resultados. Por isso, utilizar storytelling nas lojas torna mais fácil engajar e faz com que o seu visitante esteja mais propenso a voltar.

Engajar o seu cliente emocionalmente:

A maioria das decisões de compra que fazemos em nossa vida não são inteiramente racionais. Quando uma marca consegue engajar um cliente pelo lado emocional ela cria um laço e esse laço é o que faz com que ele sinta prazer em repetir a experiência de compra.

Para aumentar a lucratividade e a fidelização no ponto de venda, é importante investir em toques pessoais que podem apelar para o lado emocional do consumidor, como uma iluminação específica ou uma decoração que remeta ao que você já sabe sobre a personalidade dele.

Descontos e programas de fidelidade:

Ambos os benefícios são realmente eficientes para estimular a fidelização, eles premiam quem retorna com frequência e têm um custo relativamente baixo para o negócio. Embora sejam estratégias tradicionais, não devem ser descartadas do seu arsenal de recursos para ampliar a fidelização.

Estude um programa de fidelidade que seja acessível e recompense as pessoas que já são clientes fiéis, estimulando que outras também assumam essa posição. Aprender como fidelizar clientes no PDV vai ajudar a trazer mais retornos para o seu negócio.

PARA SABER MAIS, VISITE NOSSO SITE E DESCUBRA TODOS OS SERVIÇOS QUE OFERECEMOS NO MERCADO TRADE.

Acesse: www.compart.com.br

Marketing, merchandising, TRADE MARKETING Tags: , , , , , blog dez2020 adm_compart 07 de janeiro de 2021 AS FESTAS DE FIM DE ANO MUDAM O PDV? https://www2.compart.com.br/as-festas-de-fim-de-ano-mudam-o-pdv/

Muito esperadas, as festas de fim de ano mexem tanto com o comerciante quanto com o consumidor. O Natal, sem dúvida, é a data mais forte para o comércio brasileiro, logo atrás dele a Black Friday também vem deixando marcas no varejo, se tornando a segunda data de maior consumo.

Os meses de Novembro e Dezembro são lembrados por suas campanhas e PDVs bem estruturados, com a missão de proporcionar ao shopper as melhores experiências de compra, estratégias essas garantidas pelos profissionais de Trade Marketing.

Os Pontos de Vendas físicos ainda representam a maior porcentagem de vendas no final do ano, ganhando força a cada dia tem se tornado o local de preferência para consolidar as compras. A chance de tocar, experimentar e interagir com os produtos tem um lugar especial na experiência do consumidor.

É claro que, a junção do digital com as lojas físicas não pode ser ignorada, já que é a combinação perfeita para estimular e satisfazer.  

Ao somar todos esses acontecimentos é possível entender o motivo de grandes inovações e mudanças no ponto de venda durante as festas de fim de ano, já que é o período em que o shopper está mais propenso a consumir.

Sendo assim, como criar um PDV adequado para satisfazer o consumidor durante as compras de fim de ano?

Crie experiências complementares: Ofereça ao cliente estímulos multicanais como forma de prolongar o contato como códigos promocionais, frete grátis e benefícios vinculados a aplicativos e canais digitais.

Promoções exclusivas são instrumentos valiosos para relacionamentos de fidelidade. Elas garantem que o cliente permaneça cativo entre o contato online e o caminho até o PDV, por isso sempre aposte na comunicação próxima e personalizada tanto fora quanto dentro da loja.

Preze por um merchandising atrativo: No Ponto de Venda, ofereça “algo a mais” ao cliente, a presença dele no ambiente físico deve ser aproveitada ao máximo para concretizar vendas.

Crie áreas de alimentação, recreação e conveniência para aumentar a chance de o consumidor passar mais tempo na loja, além disso mantenha seu produto bem localizado e invista em recursos sensoriais em todo o PDV, como cheiros, cores, sons e degustações – quanto mais sentidos você explorar, melhor será o resultado.

Mantenha o visual impecável: Dentro da loja, garanta que os corredores e galerias estejam destacados com novos TotensStoppers, Displays e outros materiais de merchandising, é importante mudar a rotina para receber as sazonalidades e encantar o consumidor.

Visual Merchandising existe para facilitar a vida do seu cliente, aplicar no PDV conceitos de arquitetura e design de interiores certamente garantirão o acesso fácil e a visualização atrativa dos produtos.

Lembre-se que empresas que desenvolvem campanhas interessantes e visualmente atrativas tendem a conquistar os melhores espaços e vender mais nesse período.

Planeje o estoque: Não há nada mais frustrante do que a falta de produtos no ponto de venda, por isso prepare o estoque para que não falte nenhum item dos que normalmente são ofertados. Atenda sempre às expectativas positivas do cliente.

Analise os dados dos anos anteriores para não errar, evite remessas excessivas e difíceis de serem consumidas. Para maior sucesso de vendas conecte-se às demandas dos Pontos de Venda, tanto quanto às dos consumidores.

Equipe de vendas: Todos sabemos como os espaços físicos ficam sobrecarregados no fim do ano, por isso priorize por uma arquitetura que contribua com um atendimento ágil e fácil ao consumidor.

Capacitar os promotores ajudará na desenvoltura de cada PDV, além de contribuir para entregar melhores resultados. Da mesma forma, as peças gráficas de merchandising no PDV devem ser pensadas para facilitar o recebimento e a montagem nas lojas – ao optar por peças fabricadas com materiais mais resistentes e fáceis de montar, você estará zelando também pela boa performance das equipes de vendas.

Marketing, merchandising, Novidades, TRADE MARKETING Post-3---Blog adm_compart 23 de novembro de 2020 QUAL A IMPORTÂNCIA DO PROMOTOR NO PONTO DE VENDA https://www2.compart.com.br/qual-importancia-do-promotor-no-ponto-de-venda/

Em uma geração que prioriza o digital, e que através de um clique visita inúmeros sites e conhece diferentes marcas, tudo em questão de segundos – como se destacar?

Ao contratar um promotor de vendas é possível criar essa ponte entre o produto e o consumidor. É claro que, as funções desse profissional variam de acordo com a estratégia abordada e objetivos a serem alcançados.

É inegável a importância que o promotor possui para um bom resultado nas vendas, já que o seu trabalho tem como base defender o produto e o que a marca representa no ponto de venda. Eles realizam uma das principais funções do Trade Marketing.

Vale lembrar que a maior parte das decisões de compra ocorrem no PDV e o promotor sabe como criar uma boa exposição e visibilidade para que o produto esteja destacado em um ponto estratégico, facilitando assim, as compras por impulso.

Além disso, é importante saber também os tipos de promotores que existem no mercado, para que a contratação realmente supra a necessidade da empresa. São eles:

 

PROMOTOR EXCLUSIVO

É aquele que trabalha diretamente para a empresa, o que contribui para um conhecimento maior sobre o produto e tendências de mercado, bem como os valores da empresa e seus concorrentes.

Esse modelo de contratação pode ser muito vantajoso para as marcas que priorizam por um time integrado com coordenação própria, além de garantir um promotor focado em uma única marca, tendo seu espaço assegurado no PDV e defendendo da melhor forma possível os interesses do contratante.

 

PROMOTOR COMPARTILHADO

Já o promotor compartilhado visa atender mais de uma marca, sua supervisão é feita com mais constância, tanto de forma presencial, quanto online.

O promotor compartilhado é uma ótima opção para alavancar as vendas do seu produto ou serviço e fazer com que a sua marca realmente seja vista. Mesmo não trabalhando exclusivamente para uma única empresa, é a forma mais eficaz e econômica de trazer sucesso a marca.

Além disso, esse promotor possui funções como:

– Dar apoio aos vendedores, auxiliando nas negociações com o consumidor.

– Procurar pontos com maior destaque dentro do estabelecimento para montar o PDV.

– Fazer o controle de estoque das mercadorias do PDV, realizando a reposição de produtos sempre que necessário.

– Promover os produtos e solucionar dúvidas frequentes do consumidor.

 

AINDA NÃO SABE QUAL O MELHOR TIPO DE PROMOTOR PARA O SEU NEGÓCIO?

Entre em contato com a Compart e descubra a melhor forma de alavancar suas vendas e atingir seus objetivos. Além disso, você como nosso cliente, poderá ter acesso ao Sistema Comptrade desenvolvido pela Compart, para obter relatórios gerenciais e análises de Trade de sua equipe de promotores. Tudo isso de maneira rápida e simples, através do aplicativo.

 

Para saber mais, visite nosso site e descubra todos os serviços que oferecemos no mercado Trade.

 

Acesse: www.compart.com.br

Marketing, merchandising, TRADE MARKETING Trade Marketing adm_compart 21 de outubro de 2020 VOCÊ SABE O QUE É TRADE MARKETING? https://www2.compart.com.br/voce-sabe-o-que-e-trade-marketing/

Trade Marketing são práticas planejadas e executadas pela indústria com o objetivo aumentar as vendas e otimizar a atuação dos canais de distribuição. O conceito varia porque o trade é o resultado de ações estratégicas que serão alinhadas de acordo com as necessidades da empresa. De modo geral, trade marketing é a integração entre os setores de marketing e vendas.

Além disso, tem como missão principal fazer com que a estratégia da empresa consiga ser implementada, levando em consideração quais são os canais de distribuição, quem são as pessoas que estão vendendo, quem vai comprar e quem vai consumir. É um árduo trabalho no sentido de disponibilizar, promover e criar valor para as marcas de produtos no momento de decisão, dentro do ponto de venda.

Ao elaborar sua estratégia é essencial traçar metas, pensar de forma estratégica para conseguir trabalhar nos canais de distribuição e criar um relacionamento com um shopper que está antenado às mudanças e ao que as marcas representam no contexto atual, por isso é importante analisar os dados sobre tudo o que acontece no PDV e assim organizar o ponto de partida sobre: preço, presença e shelf space.

 

ESTRATÉGIA B2B

Dentro do Trade existe um conjunto de estratégias B2B que desenvolve e melhora a relação das empresas com seus canais de vendas e, consequentemente, com os consumidores.

O objetivo principal é criar uma boa experiência de compra para os clientes no ponto de venda. Para isso, a equipe de trade marketing fortalece a relação entre a empresa e seus canais de distribuição.

 

OPERAÇÃO DE TRADE

Não é só o que acontece no PDV. Começa bem antes da execução e envolve trabalhos de análise, supervisão, coordenação e gerência. É o que chamamos de backoffice – a equipe por trás de todas as estratégias e ações de trade. Cinco principais cargos da área:

  • PROMOTOR(A): é a pessoa que faz a mágica acontecer no ponto de venda. É quem coloca em movimento tudo o que foi planejado nos bastidores. Os olhos e o coração da marca frente ao shopper.
  • SUPERVISOR(A): é o profissional que garante que as coisas estão, de fato, acontecendo no PDV. Tem experiência com negociações e campanhas, domina o guia de merchandising e é responsável por fazer a gestão dos promotores em campo.
  • ANALISTA: faz parte do time de backoffice e atua com base em dados concretos. O que quer dizer que estuda as informações colhidas no PDV com o intuito de otimizar processos e resultados.
  • COORDENADOR(A): ocupa posição mais estratégica, uma vez que é a pessoa responsável por identificar oportunidades e melhorar processos internos para o atingimento de metas.
  • GERENTE: faz um trabalho de gestão e acompanhamento de todas as ações desempenhadas pelo time. Tem relacionamento direto com outras áreas da organização, especialmente com os setores de marketing e comercial, para alinhar ações e expectativas em busca de melhores resultados.

 

TRADE VS. MERCHANDISING

Segundo ALVAREZ (2008), Trade Marketing “é a conquista do consumidor no ponto de venda garantindo que as estratégias de marketing sejam implantadas, orientando e apoiando as ações de vendas aos clientes.”

Já o conceito de Merchandising está diretamente relacionado ao conjunto de ações com foco na exposição e na rotatividade dos produtos – seja no ponto de venda ou fora dele. Ou seja, toda parte de exposição, disposição, material atrativo para o produto, é responsabilidade do Merchandising, com isso é possível notar que esta é uma ferramenta essencial para o Trade Marketing.

Devido a todos esses fatos, conseguimos concluir que Merchandising é um braço do Trade e são indispensáveis um para o outro, todos eles são essenciais para o sucesso das vendas de uma empresa.

 

Para saber mais, visite nosso site e descubra todos os serviços que oferecemos no mercado Trade.

Acesse: www.compart.com.br

Marketing, merchandising, TRADE MARKETING Blog-1 adm_compart 23 de setembro de 2020 O Trade pós-pandemia: Como otimizá-lo? https://www2.compart.com.br/o-trade-pos-pandemia-como-otimiza-lo/

A pandemia mudou o shopper, o varejo, e sua realidade no ramo de Trade Marketing.

E para essa nova realidade as empresas precisarão adotar novas estratégias, para conseguirem manter sua desenvoltura.

Neste momento, é necessário revisar a estratégia adotada para o desenvolvimento e sobrevivência do negócio. Esse é um período de transformações, que visto de forma positiva, podem se tornar uma excelente oportunidade para exercer novas práticas e impulsionar sua marca, para que esta seja capaz de atender os novos desejos do novo shopper.

 

Seja omnichanel

Após a entrada do covid-19, muitos dos consumidores se viram obrigados a entrar de vez no mundo digital.

As circunstâncias mundiais criaram pessoas mais conectadas, exigentes, engajadas e conscientes. O momento de contato do consumidor com a marca nunca teve tanta relevância como agora. Por isso, uma forma de estreitar a comunicação é integrar o ambiente físico com o digital.

Essa tática criou força com a pandemia e nos assegura de que realmente, o futuro é digital. O que não significa a escassez da loja física, ela se tornará braço estratégico do digital – conhecido também como omnicalidade – ou seja, um canal que se integra em outro.

Para que seja bem sucedido, é importante avaliar os estímulos que atrai o shopper para a loja e o que o faz comprar, antes de focar apenas no seu comportamento diante do PDV. Ao trabalhar isso no ambiente digital, é possível garantir que as expectativas do consumidor sejam alcançadas durante o momento de compra. Assim, seu plano de trade no pós-pandemia possibilitará um atendimento que seja realmente personalizado.

 

Execução de merchandising

Não menos importante, é necessário ter atenção redobrada quando o assunto é a execução de merchandising. Por quê? Porque é nessa execução que as estratégias acontecem, este é o momento onde o shopper está mudando seus hábitos de consumo, transferindo o físico para o digital.

O grande objetivo do merchandising é a visibilidade, por isso é importante que os produtos sejam capazes de contar uma história da marca dentro do ponto de venda. Não basta criar o material, mas entender como ele vai agregar para o seu negócio e para o varejo, ou seja pensar como isso pode incrementar vendas adicionais.

Por isso, em momentos de crise como o que estamos vivendo, é ainda mais importante aumentar a exposição da sua marca no ponto natural e no ponto extra com materiais promocionais diferenciados, que tragam destaque à marca e aos produtos.

 

Precisa de ajuda para executar sua estratégia de merchandising? 

Precisa de ajuda para aprimorar seu merchandising? A Compart pode ajudar!

Além de possuir uma grande capacidade produtiva dos materiais de merchandising, também temos uma equipe qualificada e tecnologia de ponta, podendo ajudar sua empresa na logística e positivação de expositores no PDV.

Devido nossos 25 anos de experiência de mercado, a Compart é capaz de facilitar a execução do PDV e atender aos mais diversos formatos de lojas, nos mais diversificados canais de venda.

Visite nosso site para saber mais sobre as soluções que oferecemos!

Acesse: www.compart.com.br

Marketing, merchandising, Novidades, TRADE MARKETING Online para offline - uso de aplicativos que auxiliam no processo de vendas da loja física. adm_compart 20 de janeiro de 2020 Online para offline – uso de aplicativos que auxiliam no processo de vendas da loja física. https://www2.compart.com.br/uso-de-apps-na-loja-fisica/

A grande tendência para o mercado varejista, que foi destaque na última Black Friday e promete ser a grande aposta em 2020 é o uso de aplicativos que auxiliam no processo de compra e venda. 

Em 2013, pesquisadores do NCSC (Nordic Council of Shopping Centers) perguntaram a varejistas se o e-commerce era uma ameaça às lojas físicas. Na ocasião, mais de 50% dos entrevistados responderam que sim. No entanto, hoje, temos plena convicção que o online e o offline são mais complementares do que rivais.

Se o online oferece interatividade, uma seleção ampla de produtos, a conveniência de comprar onde e quando quiser, entre outros atrativos, por que não utilizar das ferramentas que a tecnologia nos oferece para tornar a loja não apenas um lugar para comprar mercadorias, mas também um espaço no mundo físico para os consumidores interagirem e experimentarem a sua marca? 

Por meio de uma combinação de canais, os varejistas podem satisfazer as necessidades dos clientes, explorando os benefícios de cada canal e superando limitações de canais específicos. A integração pode proporcionar aos consumidores a experiência única de compra desejada. 

De que forma isso pode ser feito?

Compras pelo aplicativo e retirada imediata na loja

No ano passado, o Starbucks inaugurou em Pequim, capital chinesa, o Starbucks Now, um ambiente de café assinado pela marca, com pedidos e pagamentos feitos via mobile. Os clientes fazem os pedidos antes mesmo de chegar ao estabelecimento e retira no balcão na hora que chega. 

Aplicativos dão suporte e esclarecem dúvidas

Nos Estados Unidos, o Walmart, integrou o seu aplicativo a loja física. O consumidor que visita o supermercado e com o app da multinacional instalado em seu celular, pode consultar detalhes como preço, avaliação de outros consumidores e descrição detalhada. Isso tudo, apenas apontando a câmera do seu aparelho para o código de barras do produto.

Pagamento sem contato via carteiras móveis

Segundo pesquisa realizada pela Adyen, 75% dos consumidores jovens afirmaram que comprariam mais em lojas físicas se não houvesse filas e 50% deles afirmam que gostariam de pagar pelo app, mesmo estando na loja. É por isso que o crescimento dos pagamentos sem contato via cartões e carteiras móveis, é um fenômeno global. 

A revolução digital promoveu mudanças no conceito de vendas e no comportamento do consumidor.  Embora a Compart pertença ao segmento B2B, entendemos bem que estar atentos às novidades é essencial para o sucesso do nosso negócio. Por isso, utilizamos nas ações em campo, o Comptrade, aplicativo próprio que conecta o nosso cliente com o tudo que acontece durante a campanha e fornece relatórios e dashboards em tempo real. 

A expectativa é que o uso da tecnologia avance cada vez mais. Ao que tudo indica, segundo a WGSN, uma das líderes mundiais em previsão de tendências, estamos próximos de vivenciar a adoção em massa de experiências cada vez mais tecnológicas como o uso de realidade aumentada (AR) e realidade virtual (VR). 

Já imaginou entrar em uma loja de roupas, colocar um óculos diante do espelho e experimentar virtualmente diversas peças? E visitar uma loja de móveis e decoração, escolher os itens e visualizá-los em um espaço 3D que simula a sala da sua casa? 

Acredite, esse futuro está bem mais próximo do que imagina! 

Deixamos aqui uma reflexão, como a sua empresa tem se adequado a estas novas exigências do mercado?  

Marketing, Novidades, TRADE MARKETING Tags: , , , , , , , , , black-friday-1479755115032_v2_1732x1732 adm_compart 28 de outubro de 2019 BLACK FRIDAY 2019 Como melhorar a experiência de compra do shopper, crescer (e rentabilizar) as vendas? https://www2.compart.com.br/black-friday-2019-como-melhorar-experiencia-de-compra-do-shopper/

A Black Friday deste ano acontecerá no dia 29 de novembro e os varejistas já começaram a planejar suas ações para garantir as boas vendas.

Afinal, é a data mais importante para o comércio varejista, ficando atrás apenas do Natal.

Nos últimos 5 anos, o crescimento do evento no Brasil foi superior ao dos países europeus, tornando-se a sazonalidade mais importante para o setor de Bens Duráveis.

De acordo com levantamento da GFK, as vendas na Black Friday desse ano deverão crescer 4%, alcançando um máximo de R$ 13,5 bilhões no setor de Bens Duráveis.

Como comparativo, em 2018 a Black Friday registrou crescimento de 9% e faturamento de R$ 13 bi.

Segundo uma pesquisa, 76% dos consumidores afirmam que já compraram em pelo menos duas edições da Black Friday — e asseguram que comprarão novamente nessa edição.

Só para lembrar, o maior interesse do shopper na Black Friday são os lançamentos tecnológicos (especialmente smartphone e TV) com preços promocionais.

Por exemplo, em 2018 o varejo vendeu na Black Friday 20% mais do que a média anual de celulares.
O mesmo ocorreu com televisores e notebooks: o varejo vendeu na Black Friday 8% acima da média anual.

 

MAS QUAIS SÃO AS MUDANÇAS ESPERADAS NESSA BLACK FRIDAY? (de acordo com levantamento realizado pelo Google Brasil)

 

– NAS CATEGORIAS

 Nos últimos anos, as categorias de produtos mais procuradas por consumidores durante a Black Friday eram as seguintes:

  • Smartphone
  • Eletrodomésticos
  • Moda e beleza

Para 2019, no entanto, as expectativas são outras.

 

87% dos consumidores pretendem comprar em mais de uma categoria de produtos nesta Black Friday. 

Ou seja: espera-se que todas as categorias de produtos tenham um volume de vendas parecido neste ano.

 

-NOS CANAIS

 Enquanto nos Estados Unidos a Black Friday sempre foi voltada às lojas físicas, para limpar o estoque antes da chegada dos produtos de Natal, no Brasil o feriado chegou com foco maior nas vendas online.

 

No entanto, esse cenário está mudando e o evento deste ano deverá ser inédito.

 

Em 2019, pela primeira vez, as compras feitas em lojas físicas devem se igualar às realizadas pela internet. Mesmo para aqueles que realizam a compra pela internet, as lojas físicas ficam cada vez mais importantes.

 

A modalidade de entrega Retire na Loja é o grande diferencial.

39% dos brasileiros consideram que a opção como muito importante na hora de decidir a loja na Black Friday e 24% dos compradores do evento esse ano esperam usar essa forma de entrega para suas compras on-line.

Para o consumidor, essa modalidade elimina o custo de frete e o tempo de entrega, um dos grandes problemas no período de compras da Black Friday.

 

 Mas se a jornada de compra é cada vez mais no ambiente integrado entre o On e o Offline sendo que o canal online se estabilizou nos últimos tempos, como fazer para melhorar a experiência de compra do shopper a assim, crescer (e rentabilizar) as vendas na Black Friday?

 

Seguem abaixo alguns pontos a serem trabalhados pelos profissionais de Trade:

 

*Conhecer o shopper

Primeiramente é importante conhecer como os shoppers compram, que canais elegem por tipo de missão, como é sua jornada de compra e os pontos de atrito. É necessário saber exatamente qual será o caminho percorrido pelo shopper, desde o momento em que a necessidade de adquirir o seu produto ou serviço se desperta nele até o pós-venda. Dessa forma, será possível identificar todos os canais de comunicação e os pontos de contato para monitoramento da experiência.

 

* Focar na qualidade do atendimento

É preciso garantir que sua equipe esteja treinada e preparada para solucionar os problemas dos clientes em todos os canais.

 

*Informações de qualidade e uma excelente apresentação dos produtos

Sem uma excelente descrição dos produtos, aumenta-se a chance de haver desistência da compra.

 

* Otimizar o sortimento e o posicionamento de preço

Tanto no ambiente físico como online.

 

* Lançar produtos premium.

A oportunidade está no aumento do ticket médio com a otimização e equilíbrio dos produtos mainstream e premium.

 

* Crosselling

Ofereça outros produtos junto com a venda do primeiro.

Isso pode ajudar o shopper no momento da compra.

 

* Oferecer mais opções de parcelamento

Essa é certamente a melhor alternativa para contornar o poder de compra ainda limitado, lembrando ainda que o cenário desse ano é bem diferente do ano passado, já que não houve ainda uma recuperação expressiva da confiança do consumidor, como acontecia no período pós eleição em 2018.

 

*Política de Trocas e Devoluções

Torne clara e visível ao consumidor a sua política de troca e devoluções.

 

*Faça diferente

Só descontos podem não ser suficientes.

Agregue benefícios à compra, como sorteios, cursos relacionados aos produtos, vendas adicionais (do tipo “leve 3 e pague 2”), cartão fidelidade, garantia extra gratuita, degustação, animação e teatralização, além de horário de atendimento estendido.

 

Enfim, entregue o máximo possível de valor para os seus shoppers na Black Friday. Ofereça benefícios reais a eles e destaque-se da concorrência.

A Compart tem atuado para diversos clientes na Black Friday.

Entre em contato para saber mais como podemos ajudá-lo
(11) 4082-6750

(11) 96174-4162

 

Fontes: https://www.ecommercebrasil.com.br/noticias/black-friday-2019/
https://exame.abril.com.br/negocios/como-a-black-friday-de-2019-sera-inedita/

Marketing, Não categorizado, TRADE MARKETING palestra sobre educação financeira adm_compart 30 de julho de 2019 Ações de Trade Marketing podem ajudar a alavancar suas vendas? https://www2.compart.com.br/alavancar-as-vendas-com-acoes-de-trade-marketing-2/

As ações de trade marketing podem ajudar a alavancar suas vendas. Aliás, essas ações têm mostrado resultados bastante significativos no sentido de atender os desejos dos potenciais clientes, inclusive, ajudando-os a terem experiências positivas com a marca — o que os tornam também seus defensores.

Mas como esse trabalho acontece?

Acompanhe a leitura.

 

AS AÇÕES DE TRADE MARKETING E O AUMENTO DAS VENDAS

Dentre as importantes ações de trade marketing, está o trabalho de posicionamento correto dos produtos nos pontos de vendas.

O objetivo é gerar  visibilidade desse produto diante do consumidor. Trata-se de um trabalho de conquista, de manter o produto atrativo.

E mais do que isso: despertar o interesse de compra, estimulando a decisão final.

As ações de trade estão relacionadas às estratégias de marketing. Assim, é fundamental que haja um profundo conhecimento do mercado, do consumidor e do portfólio de produtos. Além, é claro, de muita criatividade para inovações.

 

ESTRUTURAÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE AÇÃO

Para desenvolver ações eficientes, é preciso estruturá-las, observando os seguintes pontos: objetivos, equipe disponível, orçamento, análise de mercado e concorrentes.

A partir dessas informações, é possível determinar quais as possibilidades de ação e quais resultados podem ser esperados de cada uma delas.

 

CONHECIMENTO DO PÚBLICO

Saber para quem as ações são destinadas também é essencial para conseguir converter ações em vendas.

Estratégias como pesquisas, enquetes e cliente oculto são desenvolvidas com esse propósito.
Quando você conhece os gostos, as preferências e o modo como o shopper pensa no momento de decidir a compra, as chances de suas ações  serem certeiras são muito maiores.
Nem sempre ocupar o maior espaço numa vitrine poderá lhe render mais vendas. É a forma de se posicionar diante dos olhos do consumidor que realmente importa.

 

TECNOLOGIA A FAVOR DO PROCESSO

Use a tecnologia nas suas ações de trade marketing.

Que tal colocar um smartphone nas mãos da equipe de promotores para registrarem e passarem de forma instantânea informações que são importantes para o desenvolvimento do processo das ações?
Controles de estoque, fluxo de vendas, espaço em gôndolas, entre outras informações, podem ser inseridas em sistema para melhorar o desenvolvimento do trabalho e otimizar custos. Desenvolva análises diárias e conte com a tecnologia para indicar marcadores, métricas, metas e falhas.

Exporte relatórios e os use para analisar e desenvolver as próximas ações baseado em dados reais.

 

SELEÇÃO É FUNDAMENTAL PARA ALAVANCAR AS VENDAS

Para garantir que as vendas cresçam é preciso desenvolver o que chamamos de ranking das ações.

Uma dica é colocar uma avaliação.

Pode ser em sistema de pontos, por exemplo, para mensurar as ações desenvolvidas. Assim, as que tiverem pontuações mais baixas são excluídas do processo ou revisadas.

Muitas vezes, uma ação não dá o resultado esperado, mas é porque não foi aplicada ao público certo ou ao local ideal. Estudar onde o PDV se localiza também é de suma importância no momento de planejamento  das ações.

Enfim, ações de trade marketing são indispensáveis para aumentar as suas vendas nas lojas. No entanto, lembre-se que é preciso analisar bem o mercado e o público alvo para obter resultados satisfatórios.

 

A COMPART tem 23 anos de mercado, com larga experiência em Trade Marketing e comprometida com o retorno do investimento de seus clientes.
Entre em contato conosco para conhecer nossos serviços, se estiver interessado em realizar suas ações.

(11) 4082-6750

Marketing, merchandising, TRADE MARKETING Tags: omnichannel adm_compart 30 de outubro de 2018 Omnichannel: Sua empresa está preparada para essa mudança? https://www2.compart.com.br/omnichannel/

Você já deve ter se dado conta que atualmente existem vários canais de compras seja através do e-commerce, chats, redes sociais, e-mail, entre muitos outros.

Esse é o conceito de multicanal: o usuário pode escolher, de acordo com suas necessidades, a melhor forma e o melhor canal para realizar a sua compra.

No entanto, essa pluralidade online nem sempre consegue se transformar em uma vantagem efetiva quando loja física e virtual precisam se comunicar.

 

Mas o que é Omnichannel? 

O Omnichannel é a integração desses diversos canais, possibilitando assim que o consumidor foque mais no que chamamos de experiência de compra e não tanto com o canal que vai escolher na hora de comprar.

O comportamento do consumidor mudou muito de uns tempos para cá.

Ele usa a internet como uma importante ferramenta não só para pesquisar e comparar preços, mas também para se informar e verificar a variedade que aquela empresa poderá lhe oferecer.

Mas o conceito também nasceu com a ideia de fazer com que as lojas físicas e virtuais sejam uma só.

Ou seja, o conceito de Omnichannel propõe a extinção das diferenças existentes hoje entre as lojas físicas e a internet, permitindo que o shopper consiga procurar o produto em uma loja virtual, mas possa também realizar a compra em uma loja física.

Ou vice-versa.

 

A mudança provocada pela Omnichannel

Hoje o consumidor está mais atento e muito mais munido de informação.

Por isso, é comum que ele já chegue à loja com todas as especificações que busca em um produto e também com o comparativo entre produtos de marcas distintas.

Os lojistas e donos de loja passam a ter um consumidor mais experiente e que cobra um nível maior de exigência na hora de ser atendido.

O problema é conseguir superar as expectativas desse comprador, ou dificilmente conseguirá vender os seus produtos.

 

A importância do Omnichannel

Além de se mostrar conhecimento e capacidade para atender melhor, a implantação do Omnichannel traz também outros grandes benefícios.

Com a integração do seu sistema físico e virtual, o varejo pode oferecer uma gama maior de produtos ao cliente, que pode pagar na loja e receber em casa.

Também, há benefícios quanto à experiência de troca de produtos.

Afinal, nós sabemos que produtos comprados online tem um processo de devolução muito engessado e demorado, o que faz com que o consumidor fique insatisfeito

Ao integrar esses sistemas fica nítido que há uma preocupação com a experiência de compra do cliente.

E isso é o mais importante: que os clientes se sintam sempre satisfeitos e sejam muito bem atendidos. Ou eles trocam pela concorrência.

 

Principais impactos do Omnichannel

Com o OmniChannel surgem alguns impactos tecnológicos, financeiros e conceituais nos negócios das empresas. São eles:

Impacto tecnológico: Com a integração, o sistema usado tende a ser melhorado e também mais claro e objetivo. Isso faz com que o cliente seja melhor atendido e não o faça ficar esperando horas por uma informação simples que poderia ter sido sanada em poucos minutos de conversa.

Impacto financeiro: mais vendas e menos problemas na hora de solucionar trocas e falta de produto no estoque. E isso tem um importante impacto financeiro nos negócios.

Impacto conceitual: Com a implementação do OmniChannel as equipes nas lojas físicas tornam-se mais capacitadas na hora de atender o shopper.

E o público reconhecerá o investimento na melhoria do atendimento.

 

O “Apocalipse do Varejo” 

“Apocalipse do Varejo” é uma expressão adotada pelos Estados Unidos em referência ao momento turbulento que as empresas mais tradicionais estão enfrentando.

Recentemente, uma notícia sobre o tema causou grande impacto na mídia brasileira.

A notícia referia-se ao relatório do Credit Suisse, divulgado pela revista Exame, que informava que apenas 7 empresas sobreviveriam ao “Apocalipse do Varejo”. E que, dentre essas 7, uma delas seria uma brasileira: o Magazine Luiza.

Segundo o relatório, em termos gerais, as empresas “premiadas” são as que tem forte braço digital e preços competitivos.

O Magazine Luíza teve um impressionante crescimento de 510% em 2017, graças à estratégia digital adotada a partir de 2010.

O fato é que o Magazine Luiza tem uma excelente e fluida estratégia entre o digital e o físico.

Os varejos digital e físico são comandados conjuntamente.

Há uma plataforma Omnichannel que permite a manutenção da qualidade do serviço prestado em todos os canais. Por causa dessa integração, a opção de comprar on line e retirada na loja é otimizada, por exemplo.

 

Sua empresa está preparada para as mudanças?

Vamos destacar aqui 13 pontos importantes para se colocar o Omnichannel em prática.

  • Investir na tecnologia: as plataformas de e-commerce devem  possuir capacidades omnichannel,  sistemas de gestão integrados (ERPs) que possam fazer a gestão dos diversos canais e em integrações para que as informações estejam de forma clara e correta em todos os sistemas.
  • Fazer uma integração eficiente entre os canais para que o cliente possa efetuar a compra online, offline, por telefone ou in loco sem perceber uma diferença entre as plataformas.
  • Integrar todos os pontos de contato entre loja e cliente. Essa integração deve funcionar com base em um único banco de dados.
  • Mobile commerce ou m-commerce deve ser uma realidade. Além de oferecer um site responsivo, totalmente adaptável para essa plataforma, é importante priorizar esse canal de atendimento.
  • Manter o mesmo preço e sortimento para distribuição, independente do canal de compra. As condições que o consumidor encontrar na loja física devem ser são as mesmas da loja virtual, quer em preços, formas de pagamento ou prazos.
  • Organizar a estrutura fiscal para que o funcionamento de trocas, garantias e logística reversa aconteçam da forma esperada.
  • Alinhar os interesses entre os canais online e offline, padronizar as políticas comerciais
  • Investir em materiais de marketing, pois eles serão uma ferramenta essencial para atrair o consumidor às lojas física e virtual. E-mails marketing, banners em sites, posts em blogs (utilizando estratégias de SEO), publicidade direta em TV, jornais e revistas. Todos esses canais poderão ser o primeiro ponto de contato do usuário com sua marca.
  • Investir em canais de comunicação digital que possam ajudar o cliente em potencial a esclarecer suas dúvidas, dar sugestões ou fazer reclamações como o chat e as redes sociais, como Facebook, Twitter e WhatsApp. É importante que esses canais sejam integrados ao SAC (0800).
  • Disponibilizar Totens ou Telas Interativas: equipamentos touch screen distribuídos em pontos estratégicos da loja física e que permitem o autoatendimento.
  • Disponibilizar a funcionalidade de Entrega em Loja. Isso pode ser um grande diferencial para que no momento de maior urgência de compra do cliente.
  • Treinar as equipes das lojas, para a excelência do atendimento e oferecer uma experiência memorável de compra.
  • Potencializar a visibilidade da marca, não só no online, mas no offline também. É preciso deixar as lojas organizadas, com produtos bem expostos, aplicando corretamente as técnicas de visual merchandising, considerando a jornada de compra do shopper.

 

 

E você, o que pensa a respeito? Compartilhe conosco a sua opinião.

Marketing, merchandising, Novidades, TRADE MARKETING