Como mensurar o engajamento de ações de trade marketing?

Garantir que os produtos tenham visibilidade em uma loja e alcancem a meta de vendas demanda um excelente planejamento estratégico.

Para isso, existe o trade marketing: um conjunto de ações elaboradas para maximizar a posição do produto no mercado e, assim, conseguir atingir mais consumidores finais.

Felizmente, com as novidades tecnológicas e o planejamento bem estruturado, é possível mensurar o engajamento de ações de trade marketing.

O foco principal é sempre o cliente

O investimento no trade não pode ser baseado em suposições acerca da resposta do consumidor e do aumento das vendas. São necessárias táticas que forneçam dados que, mais tarde, serão analisados e dirão se as estratégias são eficientes.

Inicialmente, o estudo do público ideal é o primeiro passo para iniciar um projeto de visibilidade do produto. É necessário que ele tenha uma boa experiência com a jornada de compras para conseguir confiar em sua loja e escolhê-la em decisões futuras.

Para garantir isso, você pode fazer pesquisas de opinião online e presenciais em seu departamento. Com base nas respostas, faça as mudanças necessárias para a satisfação do seu cliente — seja oferecer os produtos em diferentes canais, fazer promoções semanais ou facilitar a compra final.

Além disso, é essencial garantir que os produtos procurados não faltem na loja. Imagina se eles te escolhem e você não consegue fornecer o estoque?

Key Performance Indicator (KPI)

O indicador-chave de desempenho, ou KPI, tem o objetivo de medir resultados de diferentes setores.

Por exemplo, em KPIs de mídias digitais, você pode escolher medir o tráfego da sua loja online, o número de usuários que assinaram sua newsletter, quantos clientes fizeram a decisão final por meio de promoções ou quantas pessoas abandonaram a compra.

Existem inúmeros indicadores: cabe à empresa decidir quais informações são mais relevantes para melhorar as estratégias de venda e quais são desnecessárias.

Em relação à experiência do consumidor, é importante priorizar métricas que revelem o engajamento de ações de trade marketing: os pontos de venda aumentaram a visibilidade do produto? Os seus clientes estão satisfeitos? O estoque faltou em algum momento? O retorno sobre o investimento está vantajoso?

Tudo isso dirá se a quantidade de estoque deve ser mantida, se o ambiente do abastecimento está ideal ou se o cliente está fidelizado, por exemplo.

Com os KPIs, é possível encontrar mais facilmente os erros em suas estratégias e investir seu dinheiro onde há mais retorno. Afinal, o que mede resultados de forma mais assertiva que números?

A inovação também tem seu lugar

De nada adianta medir resultados se as soluções para o aumento das vendas não são inovadoras. Os clientes precisam de novidades para manter o interesse na loja.

Uma estratégia essencial é o visual merchandising, ou seja, a organização do estabelecimento de forma criativa para elaborar campanhas em cima disso. É importante que seja útil e agradável para certificar uma experiência ideal de compra para o consumidor.

Além disso, é importante garantir que sua marca possibilite a experiência do cliente no digital.

Tenha um site de compras online que forneça entrega instantânea e permita a avaliação de satisfação dos clientes; otimize seu site para dispositivos móveis; faça promoções de compartilhamento em mídias sociais, como o Facebook e o Instagram.

Todas essas soluções podem facilitar a medição de resultados e o consequente aperfeiçoamento das suas estratégias. É importante saber diferenciar quais indicadores você deve priorizar para entender o engajamento de ações de trade marketing e, dessa forma, entender as informações essenciais para o sucesso do seu negócio.

Quer saber mais sobre estratégias de trade marketing? Leia nosso artigo sobre as melhores práticas para a indústria!

Como se destacar com ações de trade marketing?

As ações de trade marketing são, de longe, grandes aliadas do varejo e da indústria para a aquisição de clientes e aumento das vendas. Mas, se antes a única preocupação da indústria era somente vender seus produtos para o varejo, hoje esta realidade é bem diferente.

Isso porque o mercado está bastante competitivo e os clientes cada vez mais exigentes. Essa mudança pede que todas as partes estejam envolvidas no processo de vendas para que suas ações tenham destaque. E é sobre isso que falaremos no post de hoje. Confira!

Escolha bem seus canais de distribuição

Para que seu produto tenha sucesso de vendas, é preciso escolher bem os canais de distribuição. Não basta que ele seja bem localizado geograficamente e tenha uma boa estrutura. É preciso saber se seu público-alvo se concentra naquele local.

Se não, de nada vai adiantar que seu distribuidor crie ações de trade marketing e promoções para vender seus produtos.

Trabalhe em equipe com seu distribuidor

Para ter sucesso em campanhas de trade marketing, não basta escolher os melhores canais de distribuição — é fundamental fazer um trabalho em equipe. Afina, tanto sua empresa quanto seu distribuidor têm os mesmos objetivos: aumentar as vendas, garantir a satisfação dos clientes e aumentar seus lucros. Por isso, o trabalho em equipe é fundamental.

Assim, é importante procurar entender as necessidades do varejista, seus pontos fortes, pontos fracos e quais suas dificuldades em atrair e reter o cliente final. Dessa forma, as chances de sucesso são maiores e vocês garantem uma boa parceira em longo prazo.

Agregue valor aos seus produtos

Preço é uma coisa que as pessoas sempre buscam e muitos varejistas o utilizam como diferencial para atrair clientes e fechar negócios. Nesse caso, é importante desvincular esse fator da cabeça daquele empreendedor e fazer com que ele veja os benefícios de seu produto.

A partir do momento em que você consegue mostrar o valor do produto e seus benefícios para o varejista e para seu cliente final, terá mais facilidade na negociação, pois o fator preço não será decisivo para vocês fecharem negócio.

Acompanhe as ações de trade marketing de perto

As ações de trade marketing devem ser acompanhadas de perto — se não os resultados podem ser insatisfatórios. É importante fazer visitas periódicas aos canais de distribuição para saber como vão as vendas, o atendimento e a organização dos PDVs e materiais de divulgação.

Caso as vendas estejam abaixo do esperado, converse com seu distribuidor para entender o que está acontecendo e ajude-o a solucionar o problema. Se for preciso, acompanhe o trabalho dos promotores por algumas horas ou até mesmo por um dia inteiro para identificar possíveis falhas.

Crie campanhas de incentivo

As campanhas de incentivo são ótimas alidadas para alcançar bons resultados em ações de trade marketing. É essencial motivar a equipe de vendas e também o varejista — afinal, ele também está vendendo seu produto.

Portanto, ofereça premiação para os melhores distribuidores. Claro que é preciso analisar a força de vendas de cada canal de distribuição separadamente para estabelecer metas atingíveis. Caso contrário, o impacto nas ações de trade marketing podem ser negativos.

E aí? Como andam as ações de trade marketing de sua empresa? Se você precisa de ajuda e deseja saber mais informações sobre como melhorar suas estratégias, assine nossa newsletter e receba novidades em seu e-mail.

5 práticas de coletas de informações no PDV que você precisa adotar

O gerenciamento de ações de trade marketing envolve fatores que às vezes fogem ao nosso controle. Mas você sabia que a otimização da coleta de informações nos pontos de venda pode ajudar a tornar esse processo menos corrido e estressante?

Os gestores têm priorizado práticas que permitem agir mais rápido na resolução dos problemas envolvendo merchandising, controle de promotores e mensuração de resultados dessas ações.

A solução passa pela adoção de técnicas de coleta de informações no PDV, que devem ser levadas em consideração para garantir um retorno positivo sobre os seus investimentos.

A seguir, confira 5 dicas fundamentais que você precisa implementar o quanto antes na sua rotina de gerenciamento:

1. Monitore a concorrência

Na competição pela atenção do consumidor nos pontos de venda, é fundamental estar atento ao que o seu concorrente anda fazendo.

O monitoramento da concorrência ajuda a identificar falhas corriqueiras, como por exemplo, se o produto da concorrência está mais bem posicionado nas gôndolas ou se o preço que eles estão oferecendo é melhor que o seu.

Também auxilia a identificar os pontos fracos dos concorrentes, o que permite trabalhar em cima deles.

2. Converse com os seus promotores

Um grande erro do gestor é ligar apenas para dados quantitativos, coletados a partir de formulários.

Devido a isso, muitas vezes ele esquece da importância da atuação dos promotores de venda que, por terem contato direto com o cliente e com o dia a dia nos pontos de venda, podem ser uma fonte preciosa de informações. Afinal, um formulário ou um aplicativo de coleta de dados no PDV gera dados mais úteis se forem bem utilizados.

Métricas novas, sugestões e impressões dos clientes sobre uma ação também são informações que você pode conseguir com a sua equipe de promotores.

3. Personalize o seu controle de qualidade

Às vezes, o que serve para uma empresa não surte os mesmos resultados com você.

Com a correria característica do setor de trade marketing, frequentemente são utilizados relatórios de coletas de informações derivados de outras ações ou organizações.

Prefira adotar um controle especifico para as suas necessidades e que colabore com o desenvolvimento das suas ações.

4. Realize pesquisas sobre os hábitos do seu público-alvo

Após aplicar uma serie de ações e não obter o sucesso esperado, o problema pode não estar na sua ideia, mas sim nos hábitos do seu público nos pontos de venda.

Nesse sentido, combinar a análise do resultado do seu merchandising com uma pesquisa dos hábitos de consumo do seu público-alvo pode potencializar os seus investimentos e guiar os seus próximos passos.

O consumidor tem o costume de levar os filhos para as lojas? Utiliza muito o celular enquanto faz compras? Talvez a sua estratégia tenha mais efeito se for realizada levando em conta esse tipo de hábito.

5. Automatize o processo de coleta de informações no PDV

Enquanto você espera por formulários de coleta preenchidos pelos seus promotores para poder colocá-los em uma planilha do Excel, por exemplo, o seu concorrente pode estar recebendo dados em tempo real. Dessa forma, ele consegue gerir melhor o tempo e agir mais rapidamente em caso de necessidade.

Aplicativos mobile voltados para o trade marketing já são uma realidade no mercado. Através de tablets e smartphones, a equipe de promotores envia informações em tempo real para o gestor, o que melhora o tempo de resposta e elimina processos desnecessários.

Tem dúvidas ou deseja compartilhar a sua experiência sobre coleta de dados no PDV? Deixe o seu comentário aqui no post!

Como o mercado de beleza vem utilizando o trade marketing?

Atrair clientes já não é o suficiente para garantir uma venda: é preciso que o esforço de marketing seja maior e proporcione uma experiência única ao consumidor. Esse fato fica claro quando falamos do mercado de beleza.

Para se diferenciar em um setor que cresce cada vez mais, é fundamental investir em estratégias de trade marketing. Sim, o PDV (ponto de venda) ainda é o grande responsável por atrair consumidores. Logo, ele merece uma atenção especial por parte dos profissionais da área.

Quer saber quais as novidades do mercado para poder aplicá-las? Continue a leitura!

Tornar o mix de produtos adequado ao público local

Uma das principais ações para obter sucesso com as estratégias de trade marketing é tornar o mix de produtos adequado ao público local. Isso consiste em dispor os itens mais requisitados em determinada localidade.

É o que faz a rede da Embelleze. Segundo a gerente nacional de trade marketing da empresa, Fernanda Zangrando, a marca trabalha de forma diferenciada em cada canal, levando o mix de produtos que atenda às necessidades do público.

Ou seja, use o poder da regionalização para potencializar as vendas!

Investir em espaços inovadores

A experiência fica completa quando o PDV é trabalhado de maneira diferenciada, contemplando tanto as necessidades quanto os desejos do público. No mercado de beleza, diversas empresas têm buscado inovar para entregar algo de valor, encantando e interagindo com o consumidor.

Podemos pegar como exemplo a Wella. A empresa de beleza investiu em um mega salão de beleza em um dos seus PDVs na cidade de São Paulo. O foco era promover a experimentação de produtos, ensinando as mulheres como se produzir em casa com os produtos da marca — como se estivessem em um salão.

Capacitar profissionais

Para reforçar a experiência do PDV, contar com profissionais que promovam os produtos é essencial. Atualmente, muitas lojas de cosméticos investem no treinamento de seus funcionários para que eles atuem como promotores e possam orientar os clientes de maneira adequada.

Algumas marcas atualizam os profissionais sobre os lançamentos e os capacita para que eles façam experimentações no público. Isso é um grande diferencial quando a pessoa está em dúvida sobre a eficácia do produto e se a compra será de fato vantajosa.

Ações promocionais

As ações promocionais também podem (e devem!) ser desenvolvidas pelo trade marketing. Já pensou em uma ação de marketing de guerrilha próxima a um dos seus pontos de venda? Além de atrair atenção do público, você terá a chance de fazer algo diferente do habitual.

No entanto, apostar nas datas comemorativas é um grande trunfo para o mercado de beleza — como o dia das mães. Nessas datas, você pode oferecer tratamentos diferenciados no seu PDV, além de descontos, sorteios de brindes, etc.

Não se esqueça também de investir no design, em cores atrativas, materiais de divulgação (já pensou em um pequeno manual ensinando a fazer maquiagem, por exemplo?). Com certeza, o desenvolvimento do seu time de trade marketing será palpável.

Agora que você já conhece algumas ações inovadoras de marketing para o mercado de beleza, conte para nós: o que você achou do artigo? Ainda tem dúvidas sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

Entrevista com a gerente nacional de trade marketing-sell out da Embelleze – Fernanda Zangrando

Estoque virtual: 4 dicas para corrigir divergências e evitar a ruptura

O equilíbrio entre compra e venda de produtos é fundamental na gestão de um negócio. Negligenciar esse aspecto produz ruptura por falta de mercadorias, comprometimento do fluxo de caixa por aquisição de itens que demoram para ser vendidos ou a criação de um estoque virtual.

Mas o que é o estoque virtual? Como evitar divergências entre itens disponíveis para compra e a relação que consta no sistema? Como um promotor pode auxiliar nesse ajuste?

Nós ajudamos você a tirar essas e outras dúvidas no post de hoje. Acompanhe!

O que é estoque virtual?

Além do estoque físico que contém as mercadorias da loja, os sistemas de gestão apresentam uma relação dos itens que estão à disposição para compra. O grande problema é que muitas vezes ocorrem divergências e eles não são exatamente iguais. Essa situação configura a existência de um estoque virtual.

Isso significa que o software mostra que determinados produtos estão na prateleira ou no estoque, mas na verdade eles não estão lá, disponíveis para a compra. As razões para isso são diversas. Entre as principais, podemos citar:

  • furtos;
  • inventários imprecisos;
  • produtos estragados ou danificados;
  • problemas com a leitura do código de barras;
  • quando se trata do comércio varejista, mercadorias “degustadas” por clientes na loja;
  • no caso de grandes lojas e supermercados, a utilização de produtos por setores como padaria, confeitaria, entre outros.

Portanto, divergências entre o estoque virtual e o físico causam perda de oportunidades de negócios, ruptura, insatisfação dos clientes e até problemas contábeis. Por isso, é necessário adotar medidas para evitá-las.

Como evitar divergências no estoque virtual?

1. Monitore as condições de exposição do produto

Uma das razões para controlar o estoque virtual é a perda de produtos que ficaram armazenados e não foram vendidos em tempo hábil. Se a mercadoria que consta no sistema não está em condições de comercialização, isso trará prejuízo ao estabelecimento.

Nesse aspecto, a presença do promotor no PDV pode ser muito útil. Ele pode verificar, por exemplo, se as mercadorias tem sido repostas com a velocidade ideal para um escoamento favorável ou se permanecem muito tempo no estoque.

Ao verificar as condições de exposição de mercadorias e promover a reposição das prateleiras em tempo hábil e de forma adequada, o promotor pode ajudar na solução desse problema.

Considerando a demanda pelo produto, ele também consegue estabelecer uma frequência ideal para reposição, aumentando as vendas. Além disso, com um bom relacionamento com a loja, ele consegue sinalizar os produtos que estão próximos da data de validade, permitindo ao comércio realizar ações promocionais que evitam a perda de mercadorias.

2. Procure identificar as causas da divergência

O estoque virtual pode acontecer também porque alguns produtos são furtados ou danificados antes da venda. Quando o promotor está presente e atento, ele ajuda a identificar esses problemas e a fazer as devidas correções.

Ao encontrar produtos danificados, ele pode comunicar o problema à loja ou indústria. Desde que tenha a autorização do PDV, o promotor pode ser um verdadeiro aliado e ajudar a fazer esses ajustes no sistema, reduzindo o estoque virtual e evitando a ruptura.

3. Utilize a tecnologia

tecnologia pode ajudar a monitorar o estoque virtual. Com um sistema apropriado, o promotor recebe essas informações e verifica a situação diretamente no PDV.

Esse procedimento torna a detecção de divergências muito simples e rápida. Com esses dados, o promotor consegue auxiliar os gestores, que podem adotar medidas para o ajuste do estoque e o abastecimento das mercadorias, proporcionando oportunidades de negócios.

4.  Conte com os promotores

Outro aspecto importante para evitar ruptura e prejuízo é o trabalho de uma equipe de campo capacitada e alinhada às estratégias de marketing da empresa.

Além da verificação de produtos em estoque e reposição de itens que já mencionamos, eles podem propor um mix de produtos que acelera as vendas e minimiza perdas.

Controlar o estoque virtual é fundamental para minimizar perdas, garantir a oferta dos produtos e promover o aumento das vendas. Quer saber outras formas de evitar a ruptura de estoque e não perder negócios? Então corra no nosso blog e confira esse post!

Como alavancar as vendas com ações de trade marketing?

As ações de trade marketing têm mostrado resultados bastante significativos no sentido de atender aos desejos dos potenciais clientes, inclusive ajudando-os a ter experiências positivas com sua marca — o que os torna, também, seus defensores.

Quer entender como esse trabalho acontece? Continue a leitura e tire suas dúvidas!

O Trade Marketing e suas ações

Antes de tudo, vamos entender o trade marketing? É a estratégia que tem o objetivo de conquistar o consumidor no ato final da compra, portanto, deve envolver ações práticas e atraentes.

Uma parte muito importante são os pontos de venda (PDV). Eles são locais estrategicamente posicionados para gerar visibilidade para o produto e, assim, fisgar o olhar do consumidor.

Você nunca notou aquele produto que se destaca em uma loja? Entre tantos outros, seu olhar inevitavelmente vaga para um cartaz bem desenhado, uma embalagem mais colorida e atraente ou uma disposição diferente dos produtos. Há diversas formas de destacar os PDVs e certificar a fascinação dos consumidores pelo produto.

Outra estratégia interessante é a criação de situações que chamem o público para a interação com o produto antes da compra. Por exemplo:

  • se for alimento, crie um local de degustação;
  • se for cosmético, deixe alguns acessórios para teste;
  • se for perfume, dê amostras grátis.

As ações de Trade estão relacionadas às estratégias de marketing, assim, é fundamental que haja um profundo conhecimento do mercado, do consumidor e do portfólio de produtos; além de criatividade.

Se o Trade for bem planejado, o aumento das suas vendas é inevitável. Afinal, o produto se torna mais visível e, consequentemente, o público pode conhecê-lo e se interessar por ele.

Além disso, não é necessário gastar toda a verba do departamento para essas técnicas. É possível fazer a otimização de custos para lucrar mais, gastando muito menos. Tudo depende da estratégia escolhida.

Estruturação das possibilidades de ação

Para que o trade marketing seja eficiente e que alavanque as vendas, é preciso estruturar as possibilidades de ação, observando os seguintes pontos:

  • objetivos;
  • equipe disponível;
  • orçamento;
  • análise de mercado;
  • concorrentes.

Algumas perguntas são essenciais e devem ser respondidas, antes de investir e planejar o Trade Marketing. Por exemplo:

  • Você tem capital para investir em uma grande equipe de promotores?
  • Dá para negociar os pontos de venda ideais nas lojas?
  • O seu público vai ser atraído pelas ações planejadas?
  • O investimento vai valer a pena?

A partir dessas informações, é possível determinar as possibilidades de ação e os resultados que podem ser esperados de cada uma delas.

Conhecimento do público

Estratégias como pesquisas, enquetes e cliente oculto são desenvolvidas com o propósito de saber para quem as ações são destinadas e são fundamentais para conseguir converter ações em vendas.

Quando você conhece as preferências e o modo como o seu potencial consumidor pensa no momento de decidir a compra, as chances de suas ações de trade marketing serem certeiras são maiores.

De nada adianta colocar seu produto em uma loja cujo público principal nem pense em consumi-lo, ou focar demais em tornar o produto atraente, sem demonstrar para o cliente seu valor.

Por isso, é importante estudar os hábitos do seu consumidor. Pergunte-se:

  • Onde ele vai?
  • Por que ele compra?
  • Qual preço ele está disposto a pagar?

Nem sempre ocupar o maior espaço numa vitrine poderá lhe render mais vendas. É a forma de se posicionar diante dos olhos do consumidor que realmente importa.

Tecnologia a favor do processo

Use a tecnologia nas suas ações. Que tal colocar um tablet nas mãos da equipe de promotores, para registrar e passar, de forma instantânea, informações que são importantes para o desenvolvimento do processo das ações? Assim, toda a equipe permanece conectada e pode analisar se as técnicas utilizadas estão valendo a pena.

Informações estratégicas podem ser inseridas em programas próprios para melhorar o desenvolvimento do trabalho e otimizar custos, como, por exemplo:

  • controles de estoque;
  • potencial de vendedores;
  • fluxo de vendas etc.

Desenvolva análises diárias e conte com a tecnologia para indicar marcadores, métricas, metas e falhas. Exporte relatórios e os use para analisar e desenvolver as próximas ações baseado em dados reais.

Além disso, use a tecnologia nas próprias interações com o consumidor. Você pode:

  • colocar uma tela touchscreen e pedir a avaliação do cliente para o produto no próprio PDV;
  • passar um vídeo promocional;
  • manter um vendedor interagindo com o pessoal, para, depois, perguntar acerca do consumo do seu produto.

Procure sempre aparecer

Aparecer é mais que essencial. Não dá para vender sem chamar a atenção do público. Ele não consegue comprar um produto de que nunca tenha ouvido falar, que não sabe de onde veio e que, talvez, nem mesmo para o que serve.

Uma boa forma de fazer isso é patrocinar eventos. Assim, você garante espaço de publicidade enquanto o público está curtindo alguma programação. Isso passa confiança, credibilidade e, claro, visibilidade.

Outra possibilidade é fazer uma exposição em feiras e eventos. Monte uma bancada com seus produtos, faça promoções que atraiam olhares, distribua amostras grátis, em suma: ofereça uma experiência ao consumidor que permita que ele entenda a marca e tenha preferência por ela.

Apareça em todos os lugares. O consumidor atual é omni-channel (multicanal) ou seja: ele consome de diferentes formas, em vias diversas simultaneamente.

Por isso, vá para o digital também. Mantenha um site de compras e permita que seus clientes consumam em casa. Você pode fazer promoções nessa página e divulgá-la em mídias sociais, como o Facebook, facilitando a exposição da sua marca e aproximando você do seu público.

Seleção é fundamental para alavancar as vendas

Para garantir que as vendas cresçam, é preciso desenvolver o que chamamos de ranking das ações. Uma dica é colocar uma avaliação, pode ser em sistema de pontos, nas ações desenvolvidas. Assim, as que tiverem pontuações mais baixas são excluídas do processo ou revisadas quanto ao que pode ser melhorado.

Muitas vezes, o resultado não sai como o esperado porque a ação não foi direcionada ao público certo ou no local ideal. Estudar o lugar onde o PDV se localiza também é importante, quando for planejar o desenvolvimento das ações.

As ações de trade marketing são indispensáveis para aumentar as vendas da sua empresa, no entanto, é preciso analisar bem o mercado e o público para obter resultados satisfatórios no PDV. Quer saber o que outras pessoas têm a dizer sobre o assunto? Compartilhe este post em suas redes sociais!

Como é o dia a dia de um profissional de trade marketing?

Você sabe o que faz um profissional de Trade Marketing? Ele é, basicamente, o elo da corrente entre as Vendas e o Marketing de uma empresa.

Sua missão principal não é nem o pensamento estratégico em longo prazo e nem a tática imediata da venda, mas sim a otimização das transformações de planos de ação em práticas bem-sucedidas.

No post de hoje, você vai entender melhor como é o dia a dia desse colaborador cada vez mais importante para o sucesso das empresas. Acompanhe!

Ponte para os bons resultados

O primeiro item da lista diária de coisas a fazer de um profissional de Trade Marketing é: entender o comportamento dos clientes em relação ao produto/serviço da empresa. Em outras palavras, aplicar um olhar atento sobre o PDV e as conversões realizadas pelo varejo.

Essa análise é tão crucial quanto variável. Em cada segmento de mercado e, às vezes, em cada marca, os clientes se comportam de um modo específico e os gargalos nas vendas aparecem de forma particular.

Um olho no peixe e outro no gato

Mas não adianta se tornar apenas um “porta-voz” do setor de Vendas: é preciso estar em sintonia com os posicionamentos e filosofias definidos pelo Marketing.

Muitas vezes, a simples distância entre os dois setores faz com que discrepâncias se mostrem e, consequentemente, que os resultados sejam aquém do esperado. O Trade precisa estar atento a isso para posicionar cada um dos parceiros em relação ao outro, quando necessário.

Diálogo constante

Para isso aconteça, o profissional de Trade Marketing precisa ter um perfil de quem gosta de “colocar a mão na massa” sem menosprezar a importância de uma visão estratégica.

O posicionamento de um produto no PDV, a identificação de possibilidades de otimização de custos, a ponderação de novos posicionamentos de marca com base em dados de sazonalidade, tudo isso é competência do Trade. Ter um bom relacionamento com os demais funcionários da empresa é indispensável.

A palavra é: multidisciplinaridade

Essa melhoria constante na relação entre o varejo e o fabricante nasce, como já falamos, de uma visão multidisciplinar — e isso se reflete nas tarefas do dia a dia.

Estão entre as principais atividades do Trade: controlar verbas promocionais, disseminar e implementar em campo as estratégias de marketing, execução de eventos no PDV, controlar o giro de produtos no varejo, controlar prazo de entrega e disponibilidade do produto, detectar oportunidades de negócios em cada canal de distribuição, entre outras.

É preciso ter um foco competente e fundamentado, mas holístico, para o reflexos entre planejamentos e conversões em vendas o tempo todo.

Tríplice parceria

Vendas, Marketing e Trade Marketing são parceiros do mesmo nível de importância. Nesse caso, importam menos as diferenças de organograma de cada empresa e mais o entendimento de que esses três tipos de funcionários precisam atuar em conjunto para os bons resultados sejam alcançados.

Um aprimora o desempenho do outro, na medida em que se atenta para questões que poderiam ser negligenciadas. Com esses focos bem definidos, a engrenagem como um todo roda com muito mais fluidez.

Transitando entre mundos diferentes, embora muito próximos, focado sobretudo na experiência da compra e atento à execução das estratégias e planejamentos de longo prazo a cada segundo. O dia a dia de um Trade Marketing não é para muitos, mas os poucos que se identificam encontram um cotidiano instigante e desafiador.

E você, já estava familiarizado com essa função? Como você acredita que ela pode ajudar — ou já ajuda — nos resultados de sua empresa? Compartilhe conosco suas experiências e assine nossa newsletter para receber outros artigos sobre o assunto!

Aprovação da Lei da Terceirização aumenta a produtividade de empresas e reduz custos operacionais

Aprovado na última semana, o texto regulamenta a prática e permite que empresas terceirizem todas as suas atividades, inclusive as chamadas atividades-fim

A lei da terceirização, aprovada na última semana, levantou uma grande polêmica. Por um lado, há quem defenda que esse tipo de regulamentação trará ganhos de produtividade e segurança jurídica e, de outro que a medida aumenta a precarização no mercado de trabalho. A Compart Marketing e Tecnologia, empresa especializada em recrutamento e mão de obra e que oferece profissionais terceirizados para ações de trade marketing, alerta que a regulamentação pode ser positiva para as empresas, aumentando a produtividade e reduzindo custos. “Em determinadas atividades, o empresário ganha ao terceirizar. Em vez de a empresa ter de fazer ela mesma uma atividade em que, talvez, ela não seja 100% especializada, ela poderá contratar uma empresa com know how e experiência para fazer exatamente aquilo que precisa”, explica Vladimir Lima, CEO da Compart.

Para a Compart, a regulamentação da terceirização trará um equilíbrio para a economia e otimizará diversos setores de mercado. A empresa, que trabalha com equipe de recrutamento, seleção, treinamento e gestão de equipes em campo para projetos diversos dentro do varejo, ainda aponta que essa aprovação não significa “informalidade no mercado”. “Muitas pessoas confundem terceirizado com trabalhador informal. O terceirizado tem carteira de trabalho assinada e todos os direitos trabalhistas e isso não mudará”, continua Vladimir.

Ele ainda salienta que o profissional terceirizado já vem com bagagem e experiência em suas atribuições. “Hoje, trabalhamos oferecendo um profissional que é recrutado, passa por testes específicos e que dão ao contratante total segurança nas suas ações, por terem pessoas totalmente capacitadas”, diz Vladimir.

Além dos benefícios para as empresas, esse tipo de regulamentação diminua os processos trabalhistas que envolvem terceirizados. Segundo estimatiza do Judiciário, a cada ano mais de 3 milhões de processos são ajuizados e pelo menos 40% estão relacionados a terceirização, pois não há hoje, lei específica para o tema. “Além disso, com a nova regra os trabalhadores que tiverem problemas com dívidas trabalhistas, deverão acionar primeiro a empresa terceirizada que os contratou, não oferecendo problemas às empresas contratantes de terceirizados”, conclui.

Sobre a nova lei de terceirização

Enviada ao Congresso Nacional em 1998, durante a gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso, a proposta já havia sido aprovada na Câmara e, ao passar pelo Senado, sofreu alterações. O texto aguardava aprovação e análise final dos deputados desde 2002. Em 2015, a Câmara aprovou um outro projeto, com o mesmo teor, durante a gestão do ex-presidente da Casa Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O texto foi enviado para análise do Senado, mas ainda não foi votado.

Sobre a Compart

Fundada em  1995, a Compart planeja e direciona estudos com inteligência com intuito em resultado. Com localização estratégica na Rua Massacá, 418, Alto de Pinheiros, na esquina da Marginal Pinheiros, proporciona excelente logística para atender e promover resultados aos clientes. Conta também com moderna infraestrutura em um prédio de 4 andares, 1mil m² e profissionais altamente capaticitados com experiências no âmbito de marketing, varejo e negócios.

Afinal, o que faz um analista de trade marketing?

A área de marketing possui um vasto campo de atuação. Os profissionais podem optar por áreas que vão desde o planejamento até a criação, de acordo com o perfil e habilidades. Dentre essas várias profissões, uma delas é a de analista de trade marketing. Mas você sabe o que esse profissional faz?

Apesar de ser uma das áreas mais importantes do marketing, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre as funções desempenhadas por um profissional de trade.

De modo geral, ele é responsável por planejar e executar as ações relacionadas diretamente à loja física, com o objetivo de gerar venda para os canais de distribuição (sell in) e para o consumidor final (sell out).

Quer saber mais sobre essa carreira? Confira abaixo as principais atividades exercidas por um analista de trade marketing!

Seleciona e negocia os melhores pontos de venda

Um dos principais desafios do profissional de trade marketing é identificar os melhores pontos de venda para distribuir os produtos da empresa.

Para isso, além de fazer um trabalho de pesquisa regional, acompanhando o perfil do público de cada local, o analista precisa desenvolver estratégias para convencer os canais de distribuição a aceitarem os seus produtos expostos em suas gôndolas.

A escolha e a negociação com as lojas é conhecida como sell in. Dessa maneira, o profissional de trade precisa detectar oportunidades de vendas em cada ponto de distribuição, além de apresentar propostas para mostrar o quanto o produto ou serviço serão benéficos para o estabelecimento.

Desenvolve ações para atrair os consumidores

O analista de trade marketing também é responsável por desenvolver estratégias e ações a fim de atrair o público para dentro da loja e fazer com que eles adquiram o produto.

Para atingir esse objetivo, ele deve criar ações de ponto de venda, como a distribuição de brindes e sampling, treinamento de vendedores, disposição dos produtos na loja, armazenamento, etc.

Esse processo é conhecido como sell in, ou seja, a venda dos produtos para o consumidor final.

Analisa os resultados de venda

Outra importante função realizada por este profissional é a análise e o estudo dos resultados de venda, considerando cada região e ponto de distribuição. Além disso, o analista também precisa verificar o desempenho e ações dos concorrentes.

Por meio desses estudos, será possível direcionar o departamento de marketing e a equipe de vendas, identificar problemas e oportunidades.

Nesse sentido, as empresas têm investido cada vez mais em tecnologias que possam auxiliar os profissionais de trade a tomarem decisões com base em dados e informações.

Estabelece os preços mais adequados

O preço é um dos principais fatores de compra do público em qualquer lugar. E estabelecer um valor para os produtos da empresa que seja compatível com o mercado é mais uma das funções do analista de trade marketing.

Dessa forma, o profissional deve fazer pesquisas, analisar o preço da concorrência, verificar o padrão de consumo da região, além de identificar o poder aquisitivo das pessoas que compram por ali. Só assim será possível estabelecer um preço coerente e atrativo para o público final.

O analista de trade marketing organiza o calendário de ações

Tão importante quanto definir boas estratégias para se diferenciar no ponto de venda, é saber o período exato para aplicá-las. Assim, o profissional de trade deve organizar e trabalhar para que as ações no ponto de venda sejam executadas no período correto.

Nesse contexto, o analista deve se atentar à sazonalidade, que tem grande importância para as ações de trade marketing. Produtos como sorvetes e protetores solares, por exemplo, podem obter grandes vantagens fazendo ações diferenciadas de ponto de venda no verão.

Tendo em vista todas essas funções, quem atua na área de trade marketing tem ganhado cada vez mais importância dentro das corporações, afinal de contas, seu trabalho pode aumentar as vendas e o lucro da empresa, além de ser um elo entre o departamento comercial e o de marketing.

Gostou de conhecer mais sobre as atividades exercidas por um analista de trade marketing? Então aproveite para comentar abaixo o que você acha dessa área tão relevante para as empresas!

Quais os principais serviços das agências de trade Marketing?

Não é segredo que a Era Digital e o novo perfil do consumidor são determinantes nas transformações que o setor de marketing tem empreendido — com impacto, inclusive, nas agências de trade marketing.

A demanda criada pelas tendências e hábitos de consumo deve ser o foco de qualquer estratégia de divulgação, promoção e fidelização, e esse fator trouxe às agências de trade marketing um reformulado repertório de serviços.

Para entender mais sobre eles, reunimos as principais ações de marketing a serem trabalhadas nesse segmento. Quer entender como seu negócio pode alcançar os melhores resultados? Então confira o post de hoje:

Qual é o lugar do trade marketing?

Para ir a fundo nos serviços que as agências de trade marketing trabalham, é válido entender onde se posiciona esse tipo de serviço hoje em dia. Como você viu ali em cima, a relação do consumidor com produtos e serviços mudou: a interação passou a ser digital, da mesma maneira que a sua fonte de informação.

Assim, passamos também a questionar uma atividade que tem foco no canal de distribuição em vez do consumidor. No entanto, as agências de trade marketing nunca estiveram tão em alta.

Isso se deve à adequação aos hábitos do consumidor, bem como sua importância em definir decisões, como os canais de mídias utilizados e os produtos ou serviços que irão criar essa demanda, o que nos leva ao tópico a seguir:

Quais são os principais serviços das agências de trade marketing?

Merchandising inteligente

Além das ações no PDV (ponto de venda) — como a produção de banners, faixas de gôndola e folhetos —, as agências de trade marketing também têm lidado em 360° com essas campanhas. Em outras palavras, elas elaboram o mapa do PDV visando um posicionamento mais estratégico nos espaços.

Isso significa uma atuação também concentrada no manuseio e na distribuição dos produtos. Trata-se, portanto, de uma evolução do material de merchandising, dando às agências de trade marketing o respaldo estratégico para criar e gerenciar essas ações.

Criação de demanda

Como mencionamos, as agências de trade marketing não precisam apenas gerenciar uma demanda — elas também podem criá-las. Assim, situações de compra são elaboradas, necessidades desenvolvidas e soluções apresentadas antes mesmo do consumidor saber que tinha essa carência em sua vida.

Nos locais onde ocorre o poder final de decisão do consumidor, essa estratégia pode ser complementada por ações práticas, como degustação, demonstração de um novo rótulo ou embalagem e até mesmo programas de fidelidade realizados nas lojas.

Logística promocional

Aí está uma ação que visa a otimização de custos propondo, ao mesmo tempo, grandes resultados! Afinal de contas, ao deixar a logística promocional nas mãos de agências de trade marketing, sua empresa não precisa se preocupar mais com:

  • armazenagem de produtos;
  • manuseio das artes desenvolvidas para a ação;
  • coleta dos materiais;
  • distribuição para os principais pontos de vendas.

Essa otimização e alívio de processos logísticos, inclusive, é apenas uma das diversas vantagens em terceirizar o trade marketing de sua empresa.

Check PDV

Esta é uma ação focada em empresas interessadas em conhecer mais o comportamento de seus produtos ou serviços.

Para isso, são realizados relatórios, imagens e gráficos focados nos objetivos de cada empresa, tudo feito com um acompanhamento completo da agência. Dessa forma, é possível trazer informações precisas para o sucesso do seu negócio e de cada ação planejada.

Agora que você conhece os principais serviços das agências de trade marketing, o que acha que pode ser melhorado na sua empresa? Conte pra gente aqui nos comentários e descubra como posicionar estrategicamente a sua marca com os serviços de uma agência de trade marketing!